141. Quais são os deveres exigidos no oitavo mandamento?
Os deveres exigidos no oitavo mandamento são: a verdade, a fidelidade e a
justiça nos contratos e no comércio entre os homens, dando a cada um o que
lhe é devido; a restituição de bens ilicitamente tirados de seus legítimos donos; a
doação e a concessão de empréstimos, livremente, conforme as nossas forças e
as necessidades de outrem; a moderação de nossos juízos, vontades e afetos,
em relação às riquezas deste mundo; o cuidado e empenho providentes em
adquirir, guardar, usar e distribuir aquelas coisas que são necessárias e
convenientes para o sustento de nossa natureza, e que condizem com a nossa
condição; o meio lícito de vida e a diligência no mesmo; a frugalidade; o
impedimento de demandas forenses desnecessárias e fianças, ou outros
compromissos semelhantes; e o esforço por todos os modos justos e lícitos para
adquirir, preservar e adiantar a riqueza e o estado exterior, tanto de outros como
o nosso próprio.
Sl 15.2, 4; Rm 13.7; Lv 6.4, 5; Dt 15.7, 8, 10; 1Tm 6.8, 9; 1Tm 5.8; Pv 27.23,
24; 1Tm 6.17, 18; Ef 4.28; Rm 12.5-8; Pv 10.4; Rm 12.11; Pv 12.27; Pv 21.20;
1Co 6.7; Pv 11.15; Lv 25.25.
142. Quais são os pecados proibidos no oitavo mandamento?
Os pecados proibidos no oitavo mandamento, além da negligência dos deveres
exigidos, são: o furto, o roubo, o tráfico de seres humanos e a recepção de
qualquer coisa furtada; as transações fraudulentas e os pesos e medidas falsos;
a remoção de marcos de propriedade, a injustiça e a infidelidade em contratos
entre os homens ou em questões de confiabilidade; a opressão, a extorsão, a
usura, o suborno, as vexatórias demandas forenses, o cerco injusto de
propriedades e a desapropriação, a acumulação de gêneros para encarecer o
preço; os meios ilícitos de vida, e todos os outros modos injustos e pecaminosos
de tirar ou de reter de nosso próximo aquilo que lhe pertence, ou de nos
enriquecer a nós mesmos; a cobiça, a estima e o amor desordenado aos bens
mundanos, a desconfiança, a preocupação excessiva e o empenho em obtê-los,
guardá-los e usar deles; a inveja diante da prosperidade de outrem; assim como
a ociosidade, a prodigalidade, o jogo dissipador e todos os outros modos pelos
quais indevidamente prejudicamos o nosso próprio estado exterior, e o ato de
defraudar a nós mesmos do devido uso e conforto da posição em que Deus nos
colocou.
Pv 23.21; Ef 4.28; Sl 62.10; 1Tm 1.10; Pv 29.24; 1Ts 4.6; Pv 11.1; Dt 19.14; Am
8.5; Lc 16.11, 12; Ez 22.29; Lv 25.17; Mt 23.25; Is 33.15; Pv 3.30; Is 5.8; Pv
11.26; At 19.19; Tg 5.4; Lc 12.15; 1Jo 2.15, 16; Mt 6.25, 34; Sl 73.3; 2Ts 3.11;
Pv 21.17; Dt 12.7.
143. Qual é o nono mandamento?
O nono mandamento é: “Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.”
Êx 20.16.
144. Quais são os deveres exigidos no nono mandamento?
Os deveres exigidos no nono mandamento são: conservar e promover a verdade
entre os homens e a boa reputação de nosso próximo, assim como a nossa;
evidenciar e manter a verdade, e de coração, sincera, livre, clara e plenamente
falar a verdade, somente a verdade, em questões de julgamento e justiça e em
todas as mais coisas, quaisquer que sejam; considerar caridosamente os nossos
semelhantes; amar, desejar e ter regozijo pela sua boa reputação; entristecernos
pelas suas fraquezas e encobri-las, e mostrar franco reconhecimento dos
seus dons e graças; defender sua inocência; receber prontamente boas
informações a seu respeito e rejeitar as que são maldizentes, lisonjeadoras e
caluniadoras; prezar e cuidar de nossa boa reputação e defendê-la quando for
necessário; cumprir as promessas lícitas; empenhar e praticar tudo o que é
verdadeiro, honesto, amável e de boa fama.
Ef 4.25; 3Jo 1.12; Pv 31.9; Sl 15.2; Jr 9.3; Jr 42.4; At 20.27; Lv 19.15; Cl 3.9;
Hb 6.9; 3Jo 1.4; 2Co 12.21; Pv 17.9; 1Co 1.4, 5; Sl 82.3; 1Co 13.4-7; Sl 15.3; Pv
25.23; Pv 26.24, 25; Sl 101.5; 2Co 11.18, 23; Sl 15.4; Fp 4.8.
145. Quais são os pecados proibidos no nono mandamento?
Os pecados proibidos no nono mandamento são: tudo quando prejudica a
verdade e a boa reputação de nosso próximo, bem assim a nossa, especialmente
em julgamento público, o testemunho falso, subornar testemunhas falsas;
aparecer e pleitear cientemente a favor de uma causa má; resistir e calcar à
força a verdade, dar sentença injusta, chamar o mau, bom e o bom, mau;
recompensar os maus segundo a obra dos justos e os justos segundo a obra dos
maus; falsificar firmas, suprir a verdade e silenciar indevidamente em uma causa
justa; manter-nos tranqüilos quando a iniqüidade reclama a repreensão de nossa
parte, ou denunciar outrem, falar a verdade inoportunamente, ou com malícia,
para um fim errôneo; pervertê-la em sentido falso, ou proferi-la duvidosa e
equivocadamente, para prejuízo da verdade ou da justiça; falar inverdades;
mentir, caluniar, maldizer, depreciar, tagarelar, cochichar, escarnecer,
vilipendiar, censurar temerária e asperamente ou com parcialidade, interpretar
de maneira má as intenções, palavras e atos de outrem, adular e vangloriar,
elogiar ou depreciar demasiadamente a nós mesmos ou a outros, em
pensamentos ou palavras; negar os dons e as graças de Deus; agravar as faltas
menores; encobrir, desculpar e atenuar os pecados quando chamados a uma
confissão franca; descobrir desnecessariamente as fraquezas de outrem e
levantar boatos falsos; receber e acreditar em rumores maus e tapar os ouvidos
a uma defesa justa; suspeitar mau; invejar ou sentir tristeza pelo crédito
merecido de alguém; esforçar-se ou desejar o prejuízo de alguém; regozijar-se
na desgraça ou na infâmia de alguém; a inveja ou tristeza pelo crédito merecido
de outros; prejudicar; o desprezo escarnecedor; a admiração excessiva de
outrem; a quebra de promessas legítimas; a negligência daquelas coisas que são
de boa fama; praticar ou não evitar aquelas coisas que trazem má fama, ou não
impedir, em outras pessoas, tais coisas, até onde pudermos.
Lc 3.14; Lv 19.15; Pv 19.5; At 6.13; Jr 9.3; Pv 17.15; Is 5.23; 1Rs 21.8; Lv 5.1;
Lv 19.17; Is 59.4; Pv 29.11; 1Sm 22.9, 10; Sl 56.5; Gn 3.5; Is 59.13; Cl 3.9; Sl
50.20; Sl 15.3; Tg 4.11; Lv 19.16; Rm 1.29; Is 28.22; 1Co 6.10; Mt 7.1; Tg 2.13;
Jo 7.24; Rm 3.8; Sl 12.2, 3; 2Tm 3.2; Lc 18.11; Is 29.20, 21; Gn 3.12, 13; Pv
25.9; Êx 23.1; Jr 20.10; At 7.57; 1Co 13.4, 5; Mt 21.15; Dn 6.3, 4; Jr 48.27; Mt
27.28; 1Co 3.21; Rm 1.31; 2Sm 12.14; Fp 3.18, 19.
146. Qual é o décimo mandamento?
O décimo mandamento é: “Não cobiçarás a casa do teu próximo, não desejarás
a sua mulher, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu
jumento, nem coisa alguma que lhe pertença.”
Êx 20.17.
147. Quais são os deveres exigidos no décimo mandamento?
Os deveres exigidos no décimo mandamento são: um pleno contentamento com
a nossa condição e uma disposição caridosa da alma para com o nosso próximo,
de modo que todos os nossos desejos e afetos relativos a ele se inclinem para
todo o seu bem e promovam o mesmo.
Hb 13.5; Rm 12.15; Fp 2.4, 1Tm 1.5.
148. Quais são os pecados proibidos no décimo mandamento?
Os pecados proibidos no décimo mandamento são: o descontentamento com o
nosso estado; a inveja e a tristeza pelo bem de nosso próximo, juntamente com
todos os desejos e afetos desordenados para com qualquer coisa que lhe
pertença.
1Co 10.10; Gl 5.26; Sl 112.9, 10; Rm 7.7; Dt 5.21; Cl 3.5; Rm 13.9.
149. Será alguém capaz de guardar perfeitamente os mandamentos de
Deus?
Nenhum homem, por si mesmo, ou por qualquer graça que receba nesta vida, é
capaz de guardar perfeitamente os mandamentos de Deus; mas diariamente os
viola por pensamentos, palavras e obras.
Tg 3.2; 1Rs 8.46; Sl 17.15; 1Jo 1.8; 1Jo 2.6; Gn 8.21; Tg 1.14; Sl 19.12; Tg 3.2,
8.
150. São todas as transgressões da lei de Deus igualmente odiosas em
si mesmas à vista de Deus?
Todas as transgressões da lei de Deus não são igualmente odiosas; mas alguns
pecados em si mesmos, e em razão de diversas circunstâncias agravantes, são
mais odiosos à vista de Deus do que outros.
Hb 2.2, 3; Ed 9.14; Sl 78.17, 32, 56.